17 de junho de 2011

Rescaldo Músical das Festas de Abrantes 2011

Os Meus Destaques

Aurea ao Vivo Parte 1- Praça Barão da Batalha - Dia 11



Aurea ao Vivo Parte 2 - Praça Barão da Batalha - Dia 11



Um espectáculo excelente desta menina Mulher que no seu estilo (Pop - Soul - Blues) levou ao rubro todos os que a ele assistiram

Era para ser actriz, mas felizmente alguém descobriu o seu dom musical. Aurea é dona de uma voz poderosa e muitas vezes comparam-na com a britânica Duffy.

Quem ouve as músicas de Aurea não diz que tem apenas 23 anos. Com uma potente voz que acorda qualquer pessoa, é preciso ouvir para acreditar.

Por certo que ficou na ideia de todos que a ele assistiram, a vontade de voltar a ver de novo Aurea por cá em mais uma destas suas brilhantes actuações.

Raça - Dinamismo - Alegria - Exuberante - Desenvoltura Esfuziante está no espírito desta Grande Artista que, no final do espectáculo, não se poupou a conviver com quem se lhe dirigiu para autógrafos e fotos junto a ela com grande simpatia e alegria constante.

Um autêntico Show a que se assistiu neste concerto.

»»»o«««

Kumpania Algazarra ao Vivo - Praça Raimundo Soares - Dia 10



Reis da Animação que por onde passam deixam
bem vincada a sua música e seu estilo de fazer saltar de alegria a quem assiste ao seu espectáculo.
E foi assim por cá que aconteceu na sua actuação.
Quem a ela assistiu não resistiu de saltar de alegria ao som da sua música excitante que seus excelentes interpretes nos proporcionaram.
Um espectáculo de encher o espírito com aquela disposição que à muito por cá não existia.
Simplesmente fantástico este óptimo grupo que, é como o Vinho do Porto, (Quantos mais anos passarem por eles mais os apetece ouvir).

»»»o«««

Projecto "AMAR" ao Vivo - Praça Barão da Batalha - Dia 12



Uma actuação brilhante e cheia de fortes aplausos por parte de quem assistiu a este espectáculo, onde em pouco tempo de existência, já se nota neste grupo um certo amadurecimento a nível total de todos seus elementos.
Vozes potentes e com um dinamismo constante.
A Música Portuguesa predominante neste grupo, enriquece-o muito pela forma muito aprumada em que ela é apresentada pelos seus executantes.
Muita alegria e força de vencer no mundo do espectáculo, é uma constante forma de actuar deste óptimo grupo que se espera poder durar por muito tempo.

»»»o«««

Os Outros

Virgem Suta - Monte Lunai - Dazkarieh - Hyubris - Kwantta - The Kaviar - Jorge Palma

Destaco também a Banda Hyubris cujo nome era "Lupacajojo" e mudou para "Hyubris" que significa Desafio aos Deuses, e seu estilo musical de Folk Metal, tem na sua Vocalista e Flauta Filipa Mota com uma voz potente, um elemento muito forte, que em conjunto com o resto dos elementos fazem deste grupo uma atracção de grande valor.

»»»o«««

Jorge Palma pareceu-me não estar nos seus dias, uma actuação normal que em parte não mostrou aquele brilho que estamos acostumados nele mas, cumpriu a sua tarefa.

Os Restantes: - Virgem Suta - Monte Lunai - Kwantta - The Kaviar e Dazkarieh, cada um no seu estilo musical tiveram uma actuação agradável perante quem assistiu as suas exibições.

Por fim, a OLE que era esperada com grande expectativa e que por motivos imprevistos de última hora, foi alterada pela Orquestra Sinfónica do Exército onde perante quem assistiu à sua actuação foi uma bela surpresa tanto pelo número de executantes, como também pela sua boa exibição dos trechos tocados, e com uma sonoridade excelente.

»»»o«««

E num resumo de Rescaldo do que foram estas festas a nível musical, é o que acima refiro visto a meu gosto, pois os gostos de cada pessoa que assistiu a tudo isto, cada um tem o seu.

Para o ano haverá mais?.. Aguardemos até lá para ver.



(Para ouvir o som dos vídeos, pare o som do Player na coluna da esquerda)

10 comentários:

Amor feito Poesia disse...

"Eu acho que não sei fechar ciclos, colocar pontos finais. Comigo são sempre vírgulas, aspas, reticências".

[Caio Fernando Abreu]

Carinhos...M@ria

OBS: LEVE...O SELINHO É SEU!

O Cidadão abt disse...

Olá, Aqui-Ali-Acolá!

Cá o Cidadão prefere o original...

De facto a Praça Barão da Batalha ficou a pinha com gente assistindo ao concerto da Aurea.

Durante a actuação da cachopa nem se conseguia circular junto às fachadas das pastelarias!

Mas cá no entender, a musica Soul e os Blues só ganham alma quando cantadas por negros!

Façamos votos de que não mas a Aurea é um fenómeno de massas estimulado pela TV e que se extinguirá num curto espaço de tempo, dependendo de outro fenómeno semelhante.
Quanto à voz, tem os seus méritos e seria bem melhor aproveitada se a menina enveredasse por uma carreira recheada de temas originais.

Kumpania Algazarra... Baah!
Uma mistela de Ska com ritmos caribenhos, magiares, flamencos e Jazz que não permite um acompanhamento rítmico estabilizado... nem o encaixe auditivo, tal como outro grupo semelhante que lhes seguirá o visual e as pisadas... os abrantinos Kuantta!

Jorge Palma é sempre a mesma coisa! Um cantor de intervenção e profunda meditação, com letras excepcionais que nos transmitem mensagens bem mais além do que o linear, algumas delas inspiradas em grandes obras literárias, mas em que o maroto do Baco não o deixa “sossegado,” desvirtuando o Palma no seu melhor desempenho!

Os Dazkarieh perderam muito da sua identidade musical com a troca da vocalista, afastando-se dos temas populares portugueses, mas no computo geral souberam comunicar as suas sonoridades.

Os Monte Lunai apostaram na interactividade com a assistência tendencialmente passiva ao introduzirem a bailarina que mais parecia levitar e no meio do público, o instigava nas passadas celtas!

Os Virgem Suta estiveram muito bem na sua irreverência, recorrendo a temas antigos de Amália e misturas alentejanas, brindando aos avós, partilhando uns centilitros de tintol com o público mais afoito.
Os Kaviar tiveram um desempenho excelente especialmente nos ritmos trepidantes do seu metaleiro rock’n’roll menos divulgado mas que nos fica fácilmente no ouvido...

Guardam-se os Hyubris para o fim. foram soberbos com a voz rara da Filipa Mota que na senda das melhores cantoras de ópera, actuando durante mais de uma hora e meia, desafiou os Deuses, os homens da terra, os celtiberos e os Therion, onde os excelentes músicos nos apresentaram mais umas novidades musicais do terceiro álbum que afirmaram estar para breve nas bancas!
Uma identidade do Tramagal e do secular Crucifixo que nos transmite lufadas de cultura em ambientes sonoros de Rock Gótico e de Black Metal.

É de louvar a ausência do foguetório bem como a aposta na prata da casa e em grupos com cachet's mais parcos, indo a autarquia ao encontro da respeitabilidade para com os impostos dos munícipes.

Aqui - Ali - Acolá disse...

Olá Caro Cidadão abt:

Referenciando mais o seu comentário sobre a Aurea e o seu estilo musical, quanto a mim acho que a música Soul e Blues vale o que vale desde que seja interpretada com aquela alma e espírito que ela tem e a Aurea mostra isso embora não sendo negra, pois nem só se poderá dar valor aos originais desde que o que é original seja interpretado por quem tem classe para isso e, nesse campo (quanto a mim), a Aurea mostra ter essa classe.
Quantos artistas existem por esse país fora e não só que são famosos interpretando temas de outros?
O mundo da música é muito vasto onde muitos vingam na base de outros, resta saber se o valor será continuado com o passar do tempo onde o próprio interprete não se perca no seu valor íntimo para com as massas.
Sabemos bem que por cá existem vários que continuam sendo uma referência à muitos anos numa consistência de géneros musicais, assim ela mantenha este espírito que a envolve bem como não se deixar levar pela fúria das Tvs que só lhes interessa o aparato pois quanto ao resto, está na vontade de quem tem valor próprio.

Algazarra, tem aquela mística própria deles onde se pode ver que no conjunto transmitem para quem os ouve uma sonoridade e actuação bastante diversa.
Eles são todos em um e um em todos, mas que ali existe alma musical é o que vejo neles, e o espectáculo é visível nas suas actuações.

Como refiro aqui no post, Hyubris tem já bem vincado aquilo que se pode chamar um nome gravado na lapela, a vocalista é excepcional que dá uma alma fora de série ao grupo não só com a sua espantosa voz bem como na forma corporal em que se apresenta em palco.
Bons executantes que ao vivo, me impressionaram.
Jorge Palma, tem o valor que tem já conhecido por todos nós mas, achei nele numa noite pouco dedicada aquilo a que estava a deitar cá para fora.
Os motivos de tal não sei mas sinceramente torno a dizer que apenas cumpriu o contrato a que estava destinado fazer mas sem aquela chama que lhe é conhecida, nem sempre as pessoas estão com o espírito aguçado a qualquer momento daí que a meu ver achei isso na actuação dele.
Quanto aos restantes, já referi isso no post onde cada um a seu modo actuou dentro do âmbito que lhes é peculiar mas que um ou outro parece estar diferente no conceito de actuar, resta saber também se o espírito de cada grupo nestes momentos estava na sintonia de que os outros que estavam a assistir sentissem algo diferente.

Ausência de certas coisas até nem se sentiu, e diz-se e bem:

Para quê?...

Segundo as fontes cá do burgo foram poupados 75.000€ será real?

E tal como diz o povo:

Até pró ano se Deus quiser.

Aqui - Ali - Acolá disse...

Amor feito Poesia:

Grato pelo selo que, na comemoração dos 1.500 seguidores é já uma marca de referência a este belo Blogue.

Bjos e continuação da boa poesia que nos é divulgada.

Joaquim disse...

Em suma. Com uns trocos poupados, houve música para todos os gostos!

Aqui - Ali - Acolá disse...

Olá Joaquim Bem Vindo a este cantinho saltitante.
----------------------------------
Em suma. Com uns trocos poupados, houve música para todos os gostos!
----------------------------------
Bem, lá isso é verdade, música para todos os gostos e até se pode dizer que as escolhas foram boas onde a audiência a qualquer delas foi da maior que tenho visto ultimamente por cá.

Até na parte das barracas (embora sendo menos derivado as obras no local), viu-se uma diferença no que respeita à exposição (quanto a mim) mais agradável no que se fizeram representar. Uma diferença mais vistosa que se notou na apresentação do que cada uma se fez notar.

Quanto ao resto, mais do mesmo, pois salvou-se a época por estes momentos musicais que com a prata da casa vê-se que se pode ver e fazer algo de vistoso para quem gosta destas coisas.

A verdade de tudo isto, é que nestes momentos (raros claro), se esquece o que por cá se passa onde de seguida, volta a monotonia de uma terra que está cada vez mais moribunda.

Por cá, quase se pode dizer que se sobrevive a uma tristeza bem grande por muito não ligarem aquilo que é mais pertinente para com esta terra e arredores onde o poder está agarrado ao deixa andar que o povo tudo paga e bem para comodismo de outros que no alto do pedestal gozam à grande no meio desta escuridão tão vazia.

Até quando este retrocesso irá é o que este povo mais se interroga!..

Grato pela visita a este cantinho saltitante e, volte sempre que será bem recebido.

Isa GT disse...

Estou a ver que o rescaldo dura que se farta ;)

Bjos

Aqui - Ali - Acolá disse...

Isa GT:

Ainda estou a saborear.

Há que aproveitar estes bons momentos, para que a pasmaceira local possa ser esquecida enquanto o gosto for saboreado.

Bjos

O Cidadão abt disse...

Ó Isa GT!

É que o pessoal ainda traz os decibéis entranhados nos tímpanos!...

Aqui - Ali - Acolá disse...

Oi Cidadão abt:

É isso mesmo home, gostei tanto que até sonho com tudo isto.

Eh..eh..eh..