9 de outubro de 2017

Alugam-se namoradas, a 60 euros por hora.


Conceito nasceu nos EUA, faz sucesso na China e está a dar  os primeiros passos em Portugal.

Eles nunca chegam a saber o nome delas – elas eventualmente acabam por saber o deles. Durante algumas horas (ou até um dia inteiro: é à escolha do cliente, porque é o cliente quem paga e quem paga é quem manda) eles passeiam-nas nos restaurantes e nos centros comerciais e elas simulam estar pelo beicinho.

"Encontrei-me com ele no Hard Rock Café e jantámos lá. O cliente foi sempre bem educado e respeitador. Depois do jantar demos um passeio por ali perto. Conversámos e namorámos um pouco, mas o cliente respeitou sempre os limites do serviço e nunca veio com outras intenções. Ele inicialmente estava um bocado tímido, mas deixei-o à vontade e demos uns beijos e passeámos agarradinhos", conta Rita sobre o último encontro agendado pela plataforma online Rental Girlfriends (Namoradas de Aluguer), na qual as mulheres se podem inscrever como namoradas de ocasião e os homens se inscrevem para pedir companhia.

Os beijos de que fala Rita são um ‘extra’ que nem todas estão dispostas a entregar. "Não é suposto haver contacto físico. Aqui não há sexo envolvido, está bem explícito nas nossas regras. Tanto que os encontros têm que ser marcados só para sítios públicos, não pode ser em hotéis, por exemplo, para segurança das meninas, embora se as meninas quiserem ter outro tipo de envolvimento isso já é da responsabilidade delas", frisa Pedro Santos, um informático de 30 anos que gere, com dois sócios, a plataforma online em causa.

Não haver sexo envolvido motivou, segundo ele, várias acompanhantes de luxo a inscreverem-se para receber dinheiro (apenas) pela companhia. "É um extra que ganham sem terem de vender o corpo", explica o jovem empresário que tem atualmente uma montra com 14 ‘meninas’ (entre os 20 e os 37 anos) a anunciar. "Os homens que mais procuram têm entre 40 e 50 anos, embora também haja jovens de 20 a pedir o serviço", que tem um preço por hora a partir de 60 euros. "Pode ir aos 80, depende das ‘meninas’, mas com o acumular de horas o custo vai diminuindo, senão era incomportável para a maioria", acredita Pedro Santos – explicando que têm um rigoroso processo de entrevista e normas de contratação das ‘meninas’, "para garantir que os clientes não sentirão diferença entre ter uma namorada de aluguer ou uma verdadeira. E até podem namorar com duas ao mesmo tempo.

 Os nossos clientes ‘compram’ habitualmente estas namoradas para passeios, jantares fora e cinema. Queremos dar aos homens uma oportunidade de desfrutar dos benefícios de ter uma namorada sem todos os aborrecimentos. Assim são eles que decidem onde ir e o que fazer, quando querem sair e quando não querem. E tem vantagens em relação às acompanhantes de luxo, que costumam agir de forma linear, estática e transacional, o que faz com que os homens sintam que estão simplesmente a pagar por um encontro sexual. Alugar uma namorada faz um homem sentir como é querido, amado, cuidado e todos os mesmos sentimentos de ter uma namorada real", acrescenta.

"O objetivo é ter uma namorada de ocasião e sem grandes chatices. O encontro que tive correu muito bem mas como pensei que poderia ser para continuar não fiz aquilo que queria, que era beijar...", conta ‘Filipe’ (nome fictício), de 54 anos.

‘Ricardo’, de 45, pediu a ‘Miriam’, uma estudante universitária de 22 anos, para levar para o encontro um vestido bonito mas discreto. "Foi mesmo do jeito que eu tinha pedido. É uma miúda bonita, elegante. Como combinado, duas horas antes do encontro ela ligou-me para confirmar o local. Marcámos encontro na entrada do Centro Comercial Vasco da Gama, em Lisboa. Ela apareceu à hora combinada; demos um passeio pelo shopping, fomos jantar e passeámos um pouco pelo Parque das Nações. Deu para conversar com ela e conhecê-la melhor. É muito culta e educada. Gostei muito de a conhecer e pretendo voltar a estar com ela", explicou à organização, pedindo para promover outro encontro. "Também temos este serviço disponível para acompanhamento em festas de aniversário e casamentos como existe nos Estados Unidos, onde nasceu o conceito, mas por cá ainda não é muito utilizado".

Na China é um fenómeno.
Em países como a China, o aluguer de namoradas começou a ganhar popularidade em 2012, sendo que estas profissionais são mais pedidas para acompanhar os clientes à celebração do Ano Novo Chinês – altura em que os jovens chineses são (ainda mais) pressionados a levar as namoradas (existam ou não) a casa dos pais para as tradicionais apresentações. No Oriente, a pressão para ‘assentar’ tornou estes alugueres ocasionais um verdadeiro fenómeno e já teve até direito a notícia no jornal americano ‘The Washington Post’. Estes serviços são tão requisitados que já há jovens chinesas a venderem companhia por conta própria e sem agência a intermediar o negócio (e a pedir um mínimo de 120 euros por cada hora de ‘namoro’). Sai caro o embuste. Ou a solidão.

by - Correio da Manhã                 
 E você sofre de solidão?

           Aqui tem uma boa solução para esse problema           

1 de junho de 2017

Festas de Abrantes - 13 a 18 de Junho 2017



Dia 14 - Destaque para:

AUREA + ABRUNHOSA

Para verificar programa completo clique 
aqui

=== O === 

Mais um ano das Festas de Abrantes em que a programação promete ser boa em acontecimentos de vários tipos de diversão para todos aqueles que são fãs destes festejos.

APROVEITE QUE A VIDA SÃO DOIS DIAS

11 de maio de 2017

ABRANTES - Modo Arquitetos desenha "Ponte de Tramagal" Sobre o Tejo com ligação a Montalvo (Constância)


MODO Arquitetos desenha ‘ponte de Tramagal’ sobre o Tejo, com ligação a Montalvo (Constância)
Em declarações ao mediotejo.net, Rui Serrano disse que o objetivo da MODO é “pensar a “Uma nova travessia sobre o rio Tejo, no prolongamento do IC9, entre Abrantes e Constância, seria determinante para a coesão territorial da região do Médio Tejo e uma via facilitadora do seu desenvolvimento económico e social”, defende o arquiteto Rui Serrano, do Gabinete de Arquitectura MODO, com sede em Sardoal. Reclamada há décadas pela população, autarquias e empresários, a famigerada ‘ponte de Tramagal’, com uma extensão de cerca de 3 quilómetros, apresenta aqui um orçamento de 20 milhões de euros.
região em termos de projetos estruturantes” e “desafiar as pessoas a pensar, refletir e discutir. Se temos essa possibilidade de pensar quais as infraestruturas cruciais para o desenvolvimento da região, porque não desenhá-lhas e projetá-las enquanto imagem e enquanto ideia, de modo a suscitar debate e crítica?”, defendeu o arquiteto. “Encaramos
esta postura mesmo como uma missão”, vincou.

Este projeto pensado para o nó de Montalvo (A23) considera o contexto atual, caracterizado pelos evidentes constrangimentos de circulação nas infraestruturas existentes
O MODO Arquitectos, que recentemente lançou um blogue com a intenção de pensar e propor ideias de valorização do território onde está sedeado, apresenta agora, depois do aeroporto de Tancos, uma ideia de projeto para uma nova ponte que venha a ligar Montalvo ao Tramagal, exatamente no limite dos concelhos de Abrantes e Constância.


No momento em que os autarcas do Médio Tejo defenderam a reabertura da Base Militar Aérea de Tancos, os arquitetos do Atelier Modo, com sede no Sardoal, imaginaram o alargamento dessa infraestrutura à utilização civil e comercial e conceberam um primeiro esboço do que seria o “Aeroporto do Tejo”. O investimento estimado seria de 18 milhões de euros
A ideia da nova travessia sobre o rio Tejo que este gabinete de arquitetos reintroduz na discussão pública, acrescentando-lhe os traços de um possível projeto, dando forma e imagem à ambição de agentes políticos, económicos, sociais e da própria população, surge num momento em que está em curso a linha de financiamento Portugal 2020. Este quadro comunitário constitui para o MODO, “uma oportunidade derradeira de viabilização deste projeto”.
Uma alternativa às centenárias e sobrecarregadas pontes atuais
Este projeto pensado para o nó de Montalvo (A23) considera o contexto atual, caracterizado pelos evidentes constrangimentos de circulação nas infraestruturas existentes, para além do “cansaço” próprio de mais de um século de existência destas estruturas. “Fatores que conduzem à urgência da implantação da nova ponte e aos quais se deve juntar o também urgente desenvolvimento desta região.”
Vejam-se os casos das pontes de Constância e Chamusca, que apresentam “grandes limitações”, e que se situam junto de importantes empresas de relativa dimensão, como a Caima, ou a Mitsubishi no Tramagal ou ainda o Eco-Parque do Relvão, na Chamusca. A ponte de Constância mantém, aliás, a limitação de circulação de viaturas pesadas. No caso de Abrantes, o recente investimento na reabilitação da ponte continua a não resolver o trafego intenso de ligeiros e pesados. Muitos dos que se deslocam para o sul do país, passaram a optar por este acesso depois da introdução das portagens na A23. Um quadro que inevitavelmente nos leva à difícil fluidez do tráfego,à degradação das vias e à diminuição da segurança.

MODO Arquitetos desenha ‘ponte de Tramagal’ sobre o Tejo, com ligação a Montalvo (Constância)

O arquiteto Rui Serrano recorda que “uma nova ponte rodoviária sobre o rio Tejo está prevista no traçado do IC9, há mais de 10 anos. Ainda assim, e apesar disso, continua a ser adiada pelos sucessivos governos e afastada das intenções e prioridades de investimento da EP – Estradas de Portugal.”
O arquiteto defende que “a sociedade civil, empresas, instituições e população em geral não devem abdicar do seu papel interventivo, um papel que pode ser decisivo na concretização de projetos como este.”
Considerando a urgência e a necessidade desta obra, o MODO Arquitectos propõe uma implantação faseada da ponte: numa primeira fase, seria construída a ponte rodoviária sobre o rio Tejo, podendo não ter perfil de autoestrada, prevendo-se, numa fase posterior, a respetiva adaptação com a construção do IC9 prevendo-se localizá-la no nó de Montalvo (A23), o que irá permitir o estabelecimento das ligações rodoviárias entre a margem direita e esquerda do rio Tejo e entre a A23 (a Norte) e a EN2 (a Sul).”
O projeto
A ponte que o MODO propõe para Montalvo procura alinhar com as estruturas metálicas que encontramos nas pontas da Chamusca e de Constância, mantendo a identidade construtiva, reconhecendo que estes dois elementos são património e marca da memória visual que temos da região do Médio Tejo.
A ponte de Montalvo é aqui composta por uma estrutura metálica em perfis diagonais  de cantoneiras, fazendo um “T”, e elementos verticais com peças que formam um “H”. Nas extremidades há peças de maior dimensão para lhe conferir rigidez.
A ideia para esta ponte assenta na conceção de um elemento que se repete, contínuo mas alternado, introduzindo um efeito de perspetiva dinâmica ao longo do percurso: 2,9 quilómetros com 12 metros de largura, permitindo uma faixa em cada sentido e associando uma ciclovia.
O MODO Arquitectos pinta de amarelo ocre este “túnel” sobre o rio, trazendo para esta nova travessia, uma das tradicionais cores portuguesas, que encontramos muito presente no nosso território.

Os arquitetos estimam que o investimento na reabilitação e criação da infraestrutura do aeroporto de Tancos seria de 18 milhões de euros. Foto: DR
by - mediotejo.net

===
O===

Será de enorme importância este projeto ter pernas para andar porque, é uma mais valia para esta região onde tudo isto aqui apresentado poderá trazer mais valor para um desbloquear de trânsito entre estas margens e também para quem poderia usufruir de tal situação visto que, tudo ficaria mais ligado e mais acessível em todos os aspectos. 

3 de março de 2017

Constância - 15, 16 e 17 de Abril 2017 - Festas de Nossa Senhora da Boa Viagem


As Festas do Concelho de Constância 2017 que decorrerão nos próximos dias 15, 16 e 17 de Abril, terão este ano como destaques musicais Tim, HMB, Ferro & Fogo, Tributo aos Pink Floyd, Tarde de Folclore, Banda da Associação Filarmónica Montalvense e o Carrilhão Lvsitanvs.

Novidade nas festas deste ano será a Tenda Jovem, um espaço onde será possível prolongar a animação noturna.

Paralelamente à vertente musical, integram as Festas do Concelho, as ruas floridas, o XXIX Grande Prémio da Páscoa em Atletismo/EDP Distribuição, a 9ª Caminhada, uma Mega Aula de Zumba, a XXVIII Mostra Nacional de Artesanato e a XI Mostra de Doces Sabores as tasquinhas típicas, diversas exposições, a chegada das embarcações a Constância e um espetáculo piromusical.

Ponto alto dos festejos serão as cerimónias religiosas que têm lugar no dia do Concelho, Segunda-Feira de Páscoa (17 de Abril), das quais se destacam a Missa Solene, a Procissão em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem e as Bênçãos dos Barcos nos rios Tejo e Zêzere e das viaturas na Praça Alexandre Herculano.


A tradição destas grandes festas que ao longo dos anos se tem prolongado, é um ponto de partida para que a elas se possa assistir devido à sua grande animação por tudo o que nelas é apresentado.
===O===

Visite Constância nestes dias assistindo a estas festas                         e verá que não se arrependerá    

11 de fevereiro de 2017

Rio Tejo em Constância - Poluição Desatrosa Destruidora do Ambiente Ictiológigo




Eis aqui uma visualização do que é a poluição desastrosa que está bem patente aos olhos de toda a gente no Rio Tejo.

Isto é o cúmulo da vergonha a que assistimos diariamente e que tem vindo a poluir este rio sem que quem de direito ponha mão nesta miséria.

Incrível é assistir a isto e saber que por mais que se alerte sobre este triste espectáculo a coisa continua e nada se vê de concreto para que se ponha fim a tamanha vergonha que continua cada vez pior numa destruição sem limites.

Onde está a protecção do ambiente?

Onde está a defesa daquilo que é um autêntico tesouro do nosso país?

Onde está a defesa da fauna Ictiológica do Rio Tejo?


Simplesmente Vergonhoso o que se passa no Rio Tejo que, com este andar, caminha para a sua destruição total.