18 de fevereiro de 2009

Ah, Quanta melancolia!..


Ah, Quanta melancolia!..

AH, QUANTA melancolia!
Quanta, quanta solidão!
Aquela alma, que vazia,
Que sinto inútil e fria
Dentro do meu coração!

Que angústia desesperada!
Que mágoa que sabe a fim!
Se a nau foi abandonada,
E o cego caiu na estrada -
Deixai-os, que é tudo assim.

Sem sossego, sem sossego,
Nenhum momento de meu

Onde for que a alma emprego -
Na estrada morreu o cego
A nau desapareceu.


Fernando Pessoa

4 comentários:

maria de fátima disse...

Olá gostei muito de ler este poema do Fernando Pessoa, ele é um dos meus escritores preferidos, assim como também gosto muito da poesia da Florbela Espanca.Beijinhos e obrigada por ter visitado o meu blogue.

manuel marques disse...

A melancolia é a convalescença da tristeza ...

Aqui - Ali - Acolá disse...

Benvinda aqui a meu blog Maria de Fátima.
Também gosto imenso destes dois poetas que refere, de estilos diferentes mas que nos enchem a alma com seus poemas.
Para si obrigado por visitar meu blog e volte sempre.

bjos..

Aqui - Ali - Acolá disse...

A melancolia é a convalescença da tristeza ...

Sim amigo, em parte a melancolia é isso, mas quando se está profundamente melancólico o estado de espírito de uma pessoa cai num beco sem saída que nos leva à loucura, e aí, a convalescença será uma tristeza quase como um poço sem fundo..