30 de março de 2009

Magalhães muda de nome na Venezuela!..

Portáteis passam a chamar-se Canaima no país.

O jornal venezuelano Últimas Notícias - o de maior tiragem no país - noticia este domingo que os portáteis Magalhães, que a Venezuela contratou comprar a Portugal, vão chamar-se Canaima no mercado local.

«O aparelho terá uma alteração, não se chamará Magalhães, o seu nome será Canaima, igual ao Sistema Operacional que utilizará», precisa a notícia, citada pela agência Lusa.

O artigo lembra que «para o primeiro trimestre do ano (2009), segundo anunciou o presidente Hugo Chávez, deveriam ter sido colocado os primeiros 500 mil Classmate (um mini-notebook voltado para uso na educação) do projecto Magalhães promovido pelo Governo português».

Depois de questionar «que aconteceu?» com o anúncio de Chávez, o jornal avança que «até ao momento o trabalho tem sido intenso e para as próximas semanas se esperam notícias importantes que poderão incluir o início de operações da fábrica luso-venezuelana».

Por outro lado, sublinha que «o agora projecto Canaima incluiu a aquisição de um milhão de computadores, a maior aquisição feita no mundo deste projecto do Intel».

Nome de parque

O Canaima é um sistema operacional venezuelano baseado na distribuição GNU/Linux Debian, adaptada pelo Centro Nacional de Tecnologias de Informação (CNTI) para atender às necessidades de usuários finais da Administração Pública Nacional (APN), dando cumprimento ao decreto presidencial Nº 3390 sobre o uso de tecnologias livres.

O nome evoca o parque nacional Canaima, situado no Estado Bolívar (a sudeste de Caracas), que em 1994 foi declarado Património da Humanidade pela UNESCO, por ser uma reserva natural com relevos abruptos essenciais e únicos em todo o mundo constituídos por «tepuys» (planaltos) com milhares de anos.

A 13 de Setembro de 2008, o presidente Hugo Chávez anunciou que a Venezuela tencionava comprar um milhão de computadores escolares Magalhães a Portugal, para distribuir nas escolas venezuelanas.

O anúncio foi feito durante num encontro, no palácio presidencial de Miraflores, com o ministro da Economia e Inovação português, Manuel Pinho, em que foram assinados vários acordos de cooperação bilateral entre Portugal e a Venezuela.

A 26 de Setembro, num comunicado o departamento de imprensa de Miraflores, o governo venezuelano precisava que Portugal enviaria, «nos primeiros meses de 2009» os primeiros 250 mil portáteis Magalhães, computador que foi descrito pelo presidente Hugo Chávez como «moderno» e «um verdadeiro computador que aguenta bombardeamentos».

«A meta a médio prazo é instalar uma fábrica destes equipamentos no nosso país e que se distribuam quase um milhão deles às crianças da escola primária», lia-se no comunicado governamental, a que a Agência Lusa teve acesso.

IOL - Portugal Diário

2 comentários:

Cidadão abt disse...

Oy muchacho!
Por lo aspecto viciante qué presentam los figurónes, el Hu.guito Txábêz biem que lhe pondrá cambiar el nombre porr cannabis...
Conho!

dissisdent

Aqui - Ali - Acolá disse...

Bueno amigo, el corrupto Txábêz, miró bien el negócio de Magalhães e aora cambiando su nombre, por el cannabis puede ganar mutcho más dinero..

Eh..eh..eh..